CARACTERÍSTICAS PSICOLÓGICAS DO SER HUMANO.

Reações Involuntárias do Ser Humano

 

Entre as diversas modalidades que configuram a psicologia humana, existe uma que a Logosofia define como reações involuntárias. Apresenta-se como característica nos temperamentos humanos pela freqüência com que se repete, e é das que mais desgostos e inquietudes causam ao ser, tanto que, às vezes, até se converte em sua inimiga mais cruel. Essas reações involuntárias são as que amiúde fazem cometer as chamadas precipitações, que levam a julgar sem a intervenção da razão, e tudo isso conduz, como conseqüência, a semear contrariedades e dar começo a inimizades. 

Por serem involuntárias, deve-se entendê-las como descontroladas. Praticamente, as reações involuntárias são as que criam maiores obstáculos à vida harmônica do ser. Não se deve esquecer que os seres humanos reagem com maior facilidade desfavoravelmente, e isso ocorre porque, em geral, são suscetíveis a tudo quanto afeta direta ou indiretamente sua auto-estima, e também a tudo que contraria aquilo que foi aceito por sua razão. Como é natural, tal suscetibilidade é limada em grande parte ao se penetrar na vida sem conhecimento do que nela ocorre ou vai ocorrer, pois os tropeços e as quedas, com as conseqüentes reflexões que suscitam, dão lugar às primeiras experiências, as quais, por sua vez, criam a noção, ainda que rudimentar, da realidade, essa realidade que muitas vezes deverá ser enfrentada sem se dar conta disso, até que seja adotada a postura devida.

As reações involuntárias podem ser consideradas como pedras que o próprio ser põe em seu caminho, e nas quais tropeça repetidamente, sem advertir a que obedecem. Acaso não se truncaram, por causa delas, amizades formadas e alicerçadas durante longos anos? Isto é muito certo, como é muito certo também que elas muitas vezes fazem com que o ser se situe mal ante os demais, privando-o de desfrutar o afeto e a simpatia de que poderia ser credor por suas virtudes ou condições.Entretanto, esta característica tão típica do temperamento humano não se delineia em todos por igual.

Enquanto em uns aparece com variações pouco pronunciadas, em outros se acentua com bastante intensidade; por exemplo, nos estados de impaciência, nervosismo, ansiedade, contrariedade, e em muitos outros de análoga natureza. Sob a influência desses estados, comumente transitórios, a mente perde com facilidade o próprio controle; são pensadas e ditas coisas sem obedecer a um critério definido, ou seja, o ser está sob a influência de uma excitação do ânimo ou alteração psicológica. Tais reações, que na maioria dos casos levam em si a violência, por sua vez dão lugar a que se promovam no semelhante outras de índole variada: primeiro, de desconcerto; mais tarde, de desconfiança; por último, de prevenção. E é lógico que isso aconteça, porquanto o trato entre as pessoas se afirma sobre a base do respeito à sinceridade com que cada um exprime seus pensamentos, ao conviverem e confiarem na boa-fé mútua. Daí que, se depois ocorre uma mudança brusca na maneira de pensar ou de proceder, sem dúvida isso afetará o conceito de integridade que ambas as partes tenham formado uma da outra, o que promoverá, como conseqüência, um debilitamento das relações entre elas.

O comportamento individual deve estar condicionado sempre às boas disposições do ser, e não às caprichosas formas da inconstância. É essencial, portanto, não se afastar da própria natureza consciente, mantendo sem alterar os estados que, quando permanentes, se definem como condições superiores do espírito; só assim o ser pode se preservar de ser influenciado pelos pensamentos que, alheios muitas vezes à própria posição interna, induzem a cometer atos irrefletidos que depois devem ser lamentados.

As reações involuntárias costumam fazer perder, como dissemos, muito do prestígio ou do conceito pessoal, conseguido mercê das próprias energias e qualidades. Isto adquire uma grande importância ao serem considerados os fatores que, durante a vida, contribuíram para o bem ou para a desdita humana. Sabe-se que um ser que luta sozinho na vida, por exemplo, deve sofrer e correr uma infinidade de riscos se suas condições psicológicas, morais e físicas são precárias. Se a isso se adiciona o debilitamento de energias que tais coisas trazem consigo, e também o debilitamento do que constitui seu patrimônio como um todo, ocorrerá que quem enfrente a vida em semelhante inferioridade de condições haverá de encontrar suas perspectivas de triunfo consideravelmente diminuídas.

Defesas do indivíduo

Nada pode contribuir mais para o desenvolvimento de uma vida plena do que a criação de defesas que a amparem, no maior grau possível, contra o mal. Ninguém ignora que é mister defender-se de tudo quanto ameace prejudicar o próprio ser, trate-se de agressões físicas ou morais, de contrariedades e de qualquer outra classe de perturbações que altere a tranqüilidade ou a vida pessoal.

A elevação do conceito que cada um mereça dos demais pelo cultivo das condições e das qualidades superiores, o desenvolvimento da inteligência e o despertar da consciência são defesas que o preservam em alto grau contra as contingências do mal. Porém, isso não basta; é necessário criar outras defesas, que aumentem a potência das que já se tenham e façam cada vez mais invulnerável a vida, preservando-a também de ser afetada pelo mal que às vezes o semelhante costuma causar, à medida que ela se amplia e ganha prestígio nos ambientes em que se atua.

Referimo-nos aos vínculos de afeto ou simpatia constituídos entre familiares e amigos, e ainda entre pessoas menos próximas, que defenderão, em cada oportunidade que for preciso, a quem foi capaz de lhes inspirar um conceito em defesa do qual intervirão lealmente, constituindo tudo isso parte da defesa própria. No caso, por exemplo, de uma pessoa cujo conceito é atacado em um ou vários ambientes pela mesquinhez de espírito de quem está interessado em diminuir seu prestígio, amigos, familiares ou simples simpatizantes poderiam tomar a seu cargo a defesa de sua pessoa, neutralizando, assim, todo efeito pernicioso do ataque de que houvesse sido vítima, ataque a que por si mesma ela não teria podido fazer frente, por não poder estar presente em vários lugares ao mesmo tempo.

À medida que se amplia a vida, e mais ainda se essa vida se estende por povos e continentes, mais necessário será instituir defesas desse tipo, destinadas a salvaguardar o prestígio não só do nome, mas também da obra que se realize. E quão mais fácil será isso se o bem que se oferece ao semelhante não reclamar para si mais do que a satisfação de saber que obedece a um dever de consciência, que o ser cumpre com o maior de seus empenhos!


Coletânea da Revista Logosofia - Tomo 1

Por Ricardo Ambrosio Fazzani Bina, sábado, 9 de abril de 2011 às 23:35 na rede social Facebook;

http://www.facebook.com/notes/ricardo-bina/rea%C3%A7%C3%B5esinvolunt%C3%A1rias-do-ser-humano/201024483271890

ação social, direitos humanos, emasculação, filosofia, logosofia, markenting

domingo 10 abril 2011 07:55 , em Filosofia




1 Fan

Nenhum comentário CARACTERÍSTICAS PSICOLÓGICAS DO SER HUMANO.



Seu comentário :

(Opcional)

(Opcional)

error

Importante: comentários racistas, insultas, etc. são proibidos nesse site.Caso um usuário preste queixa, usaremos o seu endereço IP (50.17.107.233) para se identificar     


Precisa estar conectado para enviar uma mensagem para pesquisacompartilhada

Precisa estar conectado para adicionar pesquisacompartilhada para os seus amigos

 
Criar um blog